Distúrbios de sono
3

Apneias

Apneia, Síndrome da Apneia ou Hipopneia Obstrutiva do Sono (Sahos), é uma interrupção da respiração por mais de 10 segundos. Durante o sono, um pequeno número de apnéias, geralmente de 7 a 20 por noite, pode aparecer em indivíduos normais. Quando ocorre com frequência maior que cinco apneias por hora, ou 30 apneias por noite, são consideradas anormais.

Os malefícios da doença decorrem da soma de apneias ao longo de anos. O risco de morrer durante uma única apneia é pequeno, pois, após 20 ou 30 segundos ocorre o despertar e a respiração retorna.

SINTOMAS

Os dois principais indícios de que uma pessoa sofre de síndrome das apneias obstrutivas do sono são o ronco durante o sono e sonolência diurna. As apneias interrompem o roncar com períodos de silêncio e, quando a respiração retorna, o ronco atinge o máximo, lembrando o som de um rugido.

Nesse momento, o indivíduo acorda e pode responder a estímulos externos. Em poucos segundos, entretanto, volta a dormir e esquece que acordou. Pela manhã, a sensação é de que dormiu perfeitamente.

A tendência, ao longo do dia, será de adormecer em qualquer situação monótona. Mesmo pessoas que dormem mais de oito horas sentirão a necessidade de cochilar durante o dia, se permanecerem quietas, e por mais que descansem, a recuperação nunca é suficiente. Como o processo da doença se desenvolve em anos ou décadas, as pessoas acostumam-se a essa sonolência excessiva e passam a considerá-la normal.

Outros sintomas:

Ganho de peso;
Redução da memória;
Déficit de atenção;
Dor de cabeça pela manhã;
Sono agitado;
Boca seca ao acordar;
Suor noturno;
Pressão alta;
Palpitações;
Falta de ar;
Levantar para urinar;
Urinar na cama;
Disfunção sexual;
Depressão;
 Irritabilidade;
Problemas conjugais.

CAUSAS

Apneias possuem diversas causas, algumas ainda desconhecidas, mas na maioria dos casos estão associadas a:

Formato mandibular;
Obesidade;
Menopausa;
Garganta estreita;
Obstrução nasal;
Hipotireoidismo;
Acromegalia;
Predisposição genética.

Tratamento

O tratamento das apneias do sono variam conforme o caso, dependendo da causa, idade, gravidade, aceitação e da adesão às medidas propostas. Deve-se evitar, por exemplo, dormir na posição em que a apneia aparece ou piora, que geralmente é de barriga para cima. Além disso, alguns estudos apontam que a perda de peso também pode influenciar no tratamento.

Pessoas que sofrem de apneias devem evitar bebidas de álcool ou quaisquer relaxantes musculares, medicamentos sedativos, calmantes e antialérgicos.

Nos casos mais avançados do distúrbio, pode ser necessário o uso de aparelhos, cirurgias e medicamentos. Em todos os casos, entretanto, é imprescindível consultar um especialista.